OS PASTOS VERDEJANTES E O APRISCO

Um traço marcante no Ministério de W. Nee, que o difere da doutrina apregoada pelos irmãos unidos abertos, diz respeito especificamente ao testemunho da unidade. Segundo relatos sobre a origem da divisão dos irmãos unidos, GROVES, um dos fundadores do movimento dos irmãos, teria dito a Darby:
"Vocês serão conhecidos mais pelo que são contra do que pelo que vocês concordam. Vossa união torna-se mais uma questão de doutrina e de opinião do que de vida e amor. Aqueles princípios que eu me glorio de ter descoberto na Palavra de Deus, hoje me glorio ainda dez vezes por ter experimentado sua aplicabilidade a todas as circunstâncias do presente estado da igreja, que nos permitem conviver com cada indivíduo, ou grupo de indivíduos, como Deus os vê, sem nos comprometermos com qualquer dos seus males, aprendi que o nosso princípio de união é a posse da vida comum a toda a família de Deus, "pois a vida está no seu sangue" (in http://paginas.terra.com.br/religiao/jabesmar).

O irmão Nee acreditava que, em uma cidade, é necessário que um grupo de irmãos testemunhem a unidade do Corpo de Cristo. Seria àquele grupo, por exemplo, que, se Apóstolo Paulo estivesse vivo, endereçaria suas cartas, já que as denominações cristãs não seriam um testemunho adequado da unidade.

Bem, nesse ponto, realmente não há consenso entre os irmãos que têm buscado a unidade do Corpo de Cristo, por vários motivos. Dentre eles, por exemplo, a constatação principal de que essa "visão" tem provocado mais divisão que unidade. Mas ainda surge a questão, como testemunhar a unidade? Onde está o testemunho da unidade? É físico ou espiritual? São questões interessantes para se ter comunhão, não objetivando criar contendas, mas encontrar mais luz, na Palavra.
Creio, juntamente com vários santos, que o testemunho da unidade é espiritual e não físico. Por quê? Principalmente por três fatores:
1) se fosse um testemunho físico, nos demais grupos cristãos seriam testemunhos da divisão. Para fazer tal afirmação, teríamos de conhecer o coração de todos os santos e isso só Deus conhece;
2) a unidade de João 17 consiste em estar no Filho e no Pai e não em estar em um determinado lugar físico;

3) no tal grupo que se diz testemunho da unidade, TODOS os irmãos, no seu coração, não poderiam acolher qualquer sentimento faccioso.
Em uma reunião passada, certo irmão compartilhou que via a unidade como uma roda de uma bicicleta. Os santos seriam os raios e o centro seria o Senhor. Quanto mais próximos do centro os irmãos estiverem, mas unidade entre si teriam.
Achei uma excelente representação.

O problema surge quando se avança para o passo seguinte.

- ok, o testemunho da unidade é espiritual e não físico, mas onde devo reunir?


A resposta bíblica é: com os filhos de Deus!


- Mas em que grupo?

Bem. Com isso vêm outras divergências. Pode-se viver a unidade em um grupo denominacional? Deve-se procurar um outro grupo que pregue também a unidade? Deve-se fundar um novo grupo?


Não se trata de questões com respostas tão simples e prontas.

Cada um deve examinar-se a si mesmo e ver em que situação se encontra (1 Co 11).
Muitos irmãos que deixaram de se reunir com grupos que pregavam a unidade, deixaram de reunir também com qualquer outro grupo cristão. Alguns ficaram tão magoados e frustrados que não querem saber mais de ler a Bíblia ou orar.
Outros irmãos, iludidos pela impressão de que quem saiu de Filadélfia (o testemunho da igreja) não consegue voltar para Sardes (as denominações evangélicas), decidem busca a Cristo individualmente até que Ele venha e não são poucos que esfriaram e deixaram de usar seus dons.

- Fico pensando: que unidade é essa que só causa mais divisão e morte espiritual?

Verdadeiramente não é essa a unidade que a Bíblia fala.
Aqui em nossa cidade, até o presente momento, temos experimentado, em Cristo, duas coisas:
1) reunir-nos nas casas, pelo menos uma vez por semana para termos comunhão sobre o que temos visto;
2) reunir-nos em grupos cristãos (leia-se denominações) para ter comunhão com os santos da cidade.
No primeiro caso, temos orado e intercedido uns pelos outros, o que têm trazido refrigério às nossas almas.
No segundo caso, temos sido abençoados com a comunhão do Corpo de Cristo. Ao contrário do que pensam os facciosos, o Senhor tem falado e muito aos grupos denominacionais que, queiram ou não, constituem a igreja e, como nos exorta Apocalipse, precisamos ouvir o que o Espírito diz às igrejas. Se não tivermos ouvido, daí não importa onde estivermos, não ouviremos ninguém mesmo.
Não sei qual a direção que o Senhor tem dado a você, leitor. Mas o Senhor é o bom pastor e ele conhece as suas ovelhas, assim como é conhecido por elas.
Ao Senhor compete conduzir suas ovelhas e Ele o faz pela sua doce voz. Não dê ouvidos a qualquer voz. Há muitos falsos profetas entre nós e importa que assim o seja. Mas atente para a voz do amado.

Jo 10:
7 Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.

8 Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram.


Graças ao Senhor pelas pastagens! Quando era mais moço, acreditava que os apriscos existiam em oposição aos pastos verdejantes, isto é, os dois são excludentes. Hoje, sei que o aprisco tem utilidade, sim. Ele serve, principalmente, para proteção à noite. Se você estiver em um grupo cristão e estiver insatisfeito, atente para o fato de que, fora do aprisco, isto é, fora do grupo, se você não tiver forças para estar agarrado no Pastor, há grandes chances de você ser atacado pelos lobos. Eles não respeitam nada e estão cada vez mais famintos. Não é uma boa idéia abandonar os apriscos para ficar à toa nos pastos, olhando a paisagens e, pior, longe do Pastor. Você se tornará uma presa fácil.
O lugar de ovelha é junto de outras ovelhas. Não fique só, meu querido. É perigoso demais. Além disso, o tempo está passando rápido e os anos perdidos não voltarão.
Abandone os preconceitos quanto aos grupos cristãos. Não há lugar perfeito e, se houvesse será que te aceitariam? Não julgue os irmãos dizendo que estão na divisão. A verdadeira divisão não está na placa, está no coração. Ou você acha que um lugar onde não há placas, também não há divisão? Será? A divisão surge quando passo a desprezar os meus irmãos, quando deixo de amá-los. Daí vêm a divisão e todos os tipos de pecados vêm junto.
A maioria dos grupos cristão, por mais problemas que possam ter, ainda são um porto seguro, um aprisco protegido contra os lobos. Quantos santos maravilhosos há lá, quanta ajuda podemos receber? Conheço uma irmã que reuniu na igreja local por vários anos e há algum tempo está em uma denominação. Ela me disse que nunca foi tão bem cuidada como agora e, de fato, ela está melhor, está buscando mais o Senhor e à Palavra. Agora ela ora muito mais e tem tido mais experiências com Cristo.
Veja, não estou fazendo apologia à denominações. Não. Mas também não pregarei o ódio a elas. O que discuto é que não há benefícios em atacar ou defender, mas sim, no lugar em que você estiver, que você esteja vivendo o Evangelho do Nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Quando Ele voltar, Ele não vai perguntar onde você reuniu, vai antes querer saber como você tratou seus conservos (Mt 24:45).

Sei que o objetivo final do Senhor é a unidade:

Jo 17:
20

E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;

21

Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.

22

E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.


Sei que desagrada ao Senhor ver grupos brigando entre si. Sei que não faz sentido para o incrédulo uma variedade de grupos que dizem ter as mesmas crenças, no entanto estão divididos.

Mas também sei que, pelos frutos, conhecemos a árvore. Onde a dita "unidade" tem sido pregada, frutos amargos têm aparecido. Irmãos contra irmãos, grupos contra grupos. Nem no denominacionalismo mais arraigado se vê tal coisa.

Uns anos atrás, em um restaurante, encontrei um irmão que fazia parte da igreja local. Como eu tinha me afastado desse grupo, ele me viu, mas não quis me cumprimentar. Fui até ele para cumprimentá-lo, porque não acredito que irmãos devam viver com diferenças entre si. Mas veja a atitude desse irmão. Ele acredita que, por eu ter deixado de compartilhar de umas "verdades" quanto à unidade, já não faço parte da comunidade dos santos, da unidade da igreja! Que unidade é essa? Isso vem de Deus? É claro que o amado não tem culpa, pois está apenas reagindo de acordo com os ensinamentos que tem recebido. Ele está sendo assim apenas coerente com sua doutrina. E se há uma coisa que eu preso é a coerência.

Não foi para isso que o Senhor nos chamou. Não é essa nossa vocação.

Fomos chamados para ter comunhão com Ele e o resto Ele o fará, se preservarmos a unidade do Espírito, no vínculo da paz.

Sabe, meu querido, o primeiro sintoma de que uma pessoa ou grupo ingressou nas fileiras da igreja soberba, LAODICÉIA, é a infelicidade (Ap 3:17).

Interessante essa baliza: infelicidade. Podemos enganar a todos, mas no íntimo, sabemos se estamos felizes ou não. Estamos de fato alegres?

Se as coisas não estão indo bem, amado, vamos voltar à prática das primeiras obras. Vamos ter uma séria comunhão com o Senhor e resolver nossos assuntos pendentes. Vamos fazer do Salmo 51 a nossa oração:

5

Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe.

6

Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria.

7

Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo que a neve.

8

Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que exultem os ossos que esmagaste.

9

Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniqüidades.

10

Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável.

11

Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito.

12

Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito voluntário.

13

Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores se converterão a ti.


Prontamente a alegria voltará. Isso também é unidade!

3 comentários:

  1. Será possível que não se percebe que a Palavra de Deus deve ser cumprida pelo povo de Deus?
    Precisamos conhecer o padrão de Deus. Como Ele quer que pratiquemos as coisas. Quando aprendemos sua vontade, devemos imediatamente buscar para que seja cumprida, isso em qualquer area da vida cristã. Tudo que vemos da Sua vontade devemos aplicar para nós e com base em Sua Palavra devemos corrigir, ensinar, edificar, exortar os outros. Aquilo que Deus reprova, deve ser reprovado, aquilo que Ele não permite, não devemos concordar, mas discordar. "Tenho a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais Eu tambem odeio", "Tenho contra ti o tolerares..." Quando odeio aquilo que o Senhor odeia, eu agrado o Senhor, quando eu tolero o que Ele não gosta, nisso eu não agrado o Senhor.
    Agora, se essa separação dos cristãos por denominações, lideres, ministerios, etc, é algo que agrada o Senhor, louvado seja o Senhor, mas, se essas agregações são desagregadoras daquilo que Deus deseja para Seu povo, se o testemunho que Deus pretende e demonstra em Sua palavra tem um padrão contraditório a este, então, -Fora com essas divisões! Odeio esses sistemas que são um impecilho para o povo de Deus ver, aprender, e praticar a comunidade cristã, a cooperação cristã, a edificação cristã, o exercício dos dons de cada cristão, a comunhão como deveria ser nos Seus planos! Não devemos confundir amar as pessoas erradas com amar os erros, sim, Deus conhece os corações, mas, Deus também conhece os erros e aquilo que contraria Sua vontade. Nós devemos amar os irmãos que estão em erro por ignorância, e o amor de Deus não é contrário à que façamos admoestações contra o erro, condenemos o erro, conduzamos os corações a ver a maneira de Deus. E, até mesmo aos que pecam voluntariamente devemos amar, amar a pessoa, não a atitude.
    Se, em Sua Palavra, Deus nos demonstra que deseja que tenhamos uma bela comunhão com todos os irmãos, com os que vivem em adultério, com os efeminados, com os que provocam divisões, com os ladrões, sem dizer uma palavra contra suas práticas, façamos isso. Se, Deus nos demonstra em Sua Palavra que devemos ter comunhão com os que formam grupos separados de cristãos por instrumentos de Deus como "Apolo, Paulo, Cefas" sem falar nada contra essa divisão, então, não pequemos dizendo a esses irmãos que eles estão fazendo algo errado. Se a vontade de Deus é que vivamos em paz com todos os irmãos por meio de tolerarmos qualquer pecado, e que não perturbemos ninguém por tentar separá-lo do mal, então , nada condenemos, sejamos um na tolerância, no erro, no pecado, se é essa a unidade no plano de Deus, sejamos-Lhe fiéis.
    Afinal, o que é ser faccioso de acordo com a Palavra de Deus?

    ResponderExcluir
  2. O cristão como ministro do Reino, deve falar e agir de acordo tal esfera. A denominação invoca o que chama de "unidade espiritual", que nada mais é que cada um visar seus próprios interesses ( a mão fica por cima do muro ) . Que unidade é essa? Onde fica o senhorio de Deus em nossas vidas? fala a palavra que isso é ser carnal -ICo3 - À propósito, onde orienta-nos a palavra sobre mais de uma igreja em uma localidade? Então por que agirmos contrariamente a essa palavra? Talvez não creiamos o suficiente.

    ResponderExcluir

Não serão aceitos ataques ou ofensas a pessoas ou grupos!