UM ESTRANHO, UM CAMINHO E CORAÇÕES EM CHAMAS


Uma das passagens mais fascinantes dos Evangelhos é Lucas 24: a história de dois discípulos caminhando em um domingo à tarde. O Senhor tinha ressuscitado, mas eles não sabiam.
Os discípulos estavam desapontados, porque aquele que pensavam ser o messias tinha sido morto pelos Romanos, logo não seria o messias.
Um estranho então começou a andar com eles e lhes perguntou porque estavam tristes.
Eles não acreditaram que o estranho não sabia dos últimos acontecimentos. O estranho então começou a lhes mostrar que eles tinham lido as escrituras com lentes erradas.
Então o misterioso estranho, a começar por Moisés, começou a lhes expor a Palavra de Deus. Quando ele lhes falava, seus corações queimavam.
Quando se aproximou a noite, o estranho ia fazer menção de continuar, mas os discípulos insistiram para que ficasse com eles. Eles então entraram em uma casa e, sentados à mesa e, quando o estranho partiu o pão, os olhos dos discípulos foram abertos.
Trata-se de uma replay de Gênesis 3, quando um casal fez uma refeição e seus olhos também se abriram.
Jesus em sua ressurreição, reverteu a queda de Gênesis 3. Isso são boas novas. Seus olhos foram abertos, mas não caíram. Eles foram introduzidos em uma nova criação.
E quanto a nós? No nosso dia-a-dia, andamos para lá e para cá, perplexos e desanimados.
A maioria dos americanos ouviram o Evangelho pelo menos uma vez na vida, mas ouviram de uma ótica incorreta, sem poder.
Está na hora de estranhos começarem a caminhar com essas pessoas e lhes contar sobre as escrituras de uma maneira diferente da que eles ouviram até hoje, de uma forma que seu coração queime, a respeito de um Cristo Maravilhoso.
Nós precisamos contar a história de maneira diferente. Os perdidos nunca ouviram a verdadeira história. Falar de maneira que o coração de nossos irmãos possa queimar, daí então eles verão esse incomparável Senhor Glorioso.
Ao vê-lo, nossa vida nunca mais vai ser a mesma. Nós não podemos obedecê-lo até vê-lo. Quando nós o vemos, nós o obedecemos.
Possa o Senhor nos levar a vê-Lo de maneira diferente, como Ele é.
Vamos ler o João 4 e depois Atos 8:14 e ver uma história.


O DIÁRIO DE UMA MULHER SAMARITANA DESESPERADA

Encontrei há dez anos um homem que mudou a minha vida. Não tenho mais lágrimas de amargura, mas lágrimas de alegria.
Desde meu primeiro divórcio, tenho visitado o Poço de Jacó. Cansada da rejeição das outras mulheres da aldeia, tenho ido ao Poço em horário diferente das demais.
Minha face expressava minha vergonha. Todo o tempo em que amei, não recebi amor em troca, só portas batidas diante de mim, dores de cabeça, na metade da manhã já não sabia por que viver.
Próximo ao meio-dia, peguei meu cântaro, baixei o rosto e me dirigi ao Poço, mas podia notar o ar de rejeição dos outros.
Quando me aproximei do Poço, algo estava diferente. Normalmente não havia ninguém nesse horário, mas, naquele dia havia um homem lá. Ele estava de olhos fechados e mãos estendidas. Ele parecia completamente exausto. Notei que era um judeu. Pensei: que faz um judeu aqui. Ele abriu os olhos e então lancei meu cântaro no poço.
Ele então me pediu água. Fiquei chocada. Por que um judeu estava falando comigo. Fiquei chocada. As poucas palavras que lembro ter ouvido de um judeu foram ofensas.
Como um judeu estava falando com uma mulher samaritana?
Eu vi bondade nos seus olhos e na sua voz. Ele falou para mim algo que eu nunca vou esquecer: se você soubesse quem te pede, você me pediria e eu te daria água viva!
Ele não tinha nem corda, nem cântaro, com podia tirar água viva para me dar? Mas também quis lhe dizer que eu era também descendente de Jacó, por isso lhe perguntei se ele era maior que nosso Pai, Jacó.
A resposta foi estonteante. Se você continuar vindo a este poço, você terá novamente sede, mas a água que eu lhe der fluirá como rios. Eu não tinha nem idéia do que ele estava falando.
Mas senti segurança nele e lhe pedi essa água. Adorei a idéia de não ter de vir todos os dias até esse poço para tirar água. Então lhe pedi essa água, mas ele me pediu para eu lhe apresentar meu marido. Com esse pedido ele tocou em uma ferida que nunca foi curada. Meu primeiro pensamento foi mentir dizendo que meu marido não estava disponível.
Mas ele era tão bondoso que não pude mentir. Então eu contei a verdade das rejeições que sofri e lhe disse que não tinha marido. Mas ele me deu uma resposta que me deixou estonteada: cinco maridos tiveste e o atual não é teu marido.
Ele sabia toda minha vida! Mas mesmo assim me tratava com respeito. Então tentei mudar de assunto, falando sobre o lugar de adoração.
Em vez de responder a essa questão ele me disse que Deus é Espírito. Deus também mudou as regras: não era necessário adorar em um monte ou em um templo, mas no nosso interior.
Nós samaritanos não acreditamos em profetas, mas somente em Moisés e em um profeta que viriam, ao qual os judeus chamam de messias.
Falei então que quando o messias vier ele nos explicará todas as coisas. Ele então me disse que ele era o messias!
Foi então quando chegaram os amigos dele e eu estava tão entusiasmada que fui falar com os anciãos da minha vila, então eu falei com eles sobre minha conversa com aquele judeu. Eles estranhamente creram. Talvez eles tenham crido porque me conheciam e viram que algo mudou em mim.
Então a cidade inteira foi para o Poço conhecê-lo. Eles então ficaram tão impressionados. Ele comia nossa comida, usava os nossos utensílios, coisas que os judeus eram proibidos. Ele era tão diferente e tão amigável.
Ele falou sobre ele mesmo ser o noivo, buscando seguidores de todas as línguas. Quando ele falou isso, me lembrei da história de Moisés. Todos os patriarcas encontram suas esposas em um Poço.
Jacó encontrou sua noiva Raquel em um poço no final da tarde.
Encontrei diferentes homens, mas agora encontrara o Salvador do mundo. Será que ele pode ser meu marido? Um homem que não vai me abusar, mas que vai me acariciar e me amar. Eu cri que ele era o messias. Ele me aceitou, Ele me amou, Ele me convidou para ser parte de sua amada noiva. Eu chorei a tarde toda, mas eram lágrimas de esperança.
Deus sabe quem eu sou e se preocupou comigo a despeito de quem eu sou.
Amanhã deixarei aquele homem com quem vivo e viverei para o meu Senhor.
Eu nunca vou esquecer aquele dia.

(...seis anos depois...)

Felipe foi enviado pelo Espírito para Samaria, a fim de falar das Boas Novas da Salvação. Chegando lá, Felipe então anunciou que o Messias de fato morrera, fora sepultado, mas no terceiro dia ressuscitara e agora era o Espírito que dá vida. Certamente aquela mulher samaritana estava entre as pessoas que ouviam Felipe e deve ter comentado com ele que conhecera o Messias em um poço e como sua vida havia mudada desde aquele dia. Felipe deve tê-la batizado e ela deve ter experimentada rios de água viva fluindo do seu interior, como prometera a Salvador (At. 8:4).

QUEM É ESSA MULHER?
Uma pessoa desprezada, inferior, rejeitada pelos seus, mas foi recebida pelo Senhor em um Poço, no calor do meio dia. Se Jesus recebeu essa mulher nessas condições, o que você acha de você? Não somos como os samaritanos, uma raça mista, com um culto misto. Somos piores, somos gentios, comparados a cachorrinhos que aguardam algumas migalhas embaixo das mesas dos seus senhores, mas o Supremo Senhor, pela rejeição destes, se agradou em confiar-nos o Seu Reino!

Tradução livre - Frank Viola
in Present Testimony

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão aceitos ataques ou ofensas a pessoas ou grupos!