AS CERCAS E O NOVO HOMEM

Relendo a história da igreja a partir de Atos, seguindo a cronologia das epístolas, pode-se notar claramente que, mesmo após o pentecostes, houve muita relutância em se proclamar o evangelho para os gentios. A final, os judeus estavam à mesa e os gentios eram cachorrinhos. Graças ao Senhor por aqueles que entenderam que não se podia "prender" o Cristo Ressurreto em um aprisco judaico.
O exclusivismo, entretanto, sempre fez parte da história da igreja. Paulo tentou explicar que essa "parede" exclusivista já havia caído, mas quem deu ouvidos?
Passaram-se vinte séculos e as paredes ainda continuam de pé. Algumas maiores, outras menores; alguns fizeram cercas brancas com portinhas charmosas... outros ainda juram "de pé junto" que não há parede alguma, que isso é coisa que colocaram na sua cabeça, mas até uma criança pode notar que há uma parede invisível que os impede de desfrutar de todos ministérios do Corpo de Cristo; que não lhes permite visitar um grupo, ou ser humilde o suficiente para aprender com os que estão do outro lado da parede; que ainda separam os crentes em NÓS e ELES. É claro, viver entre paredes é uma opção... ou será uma forma de proteção? Esse negócio de pastos verdejantes também é muito complicado, as coisas podem fugir do controle... Uma área menor, um aprisco abençoado, delimitado por uma cerca, muro ou muralha, certamente é mais seguro contra as ciladas religiosas ou divergências entre os homens. Aliás, homens e divergências parecem sinônimos.
Mas graças ao Senhor por aqueles que ainda estão entendendo que não se pode acorrentar a revelação, que viram que não devemos defender ministérios, que não podemos nos fechar em um ministério humano e rejeitar os demais, que provaram que todos os ministros que nos levam para o espírito vêm de Deus, que nenhum ministério humano é todo-inclusivo ou todo-suficiente, que nós precisamos de todos os santos (os do outro lado da cerca também) para compreender a largura, altura e profundidade e conhecer o amor de Deus... Ah..., como preciso conhecer esse amor com meus irmãos...
Hoje, que fazer? Já fui muito exclusivista; já achei que estava no melhor grupo, mais espiritual que os demais; mais profundo e genuíno que os outros; já me achei melhor que meus irmãos, mais santo, mais fervoroso, mais cristão que meus pares; também vi que tudo isso é cegueira; vi que não via coisa nenhuma; vi que era cego; tantos versículos, tantos livros lidos, tantas conferências cristãs, tantas reuniões, tanta comunhão... o resultado foi um só: soberba da vida.
Hoje me sinto muito pobre, na verdade me sinto muito miserável e às vezes até maligno; assaltado por pensamentos no mínimo diabólicos; alguns vêm de Satanás, outros são produção própria, admito. Não me julgue, ore por mim
Quando olho para trás, parece que eu era melhor, mas hoje vejo que eu era, na realidade, melhor no escuro, melhor na sombra, melhor na minha cegueira crônica; melhor na aparência; melhor na falsidade dos meus pensamentos acerca de mim mesmo; quando veio a luz, tive olhar para mim mesmo e o resultado não foi nada bom.
Hoje, sinceramente, não consigo apontar para meus irmãos a não ser para identificá-los como os santos do Senhor; eles são tão maravilhoso, tão amáveis e como sou indigno de apenas estar no meio deles... Eles são tão semelhantes a Cristo e esse mesmo Cristo me uniu no Seu Corpo maravilho... por quê? Como alguém tão indigno pode ser chamado para fazer parte da família de Deus? Por quê Deus faz isso com a gente? Tanta bondade e tanto amor constrange, envergonha, leva-nos às lágrimas, ao arrependimento... oh, Senhor, sê propício a mim pecador!
Nesse limbo solitário, lembrei-me então dos irmãos em Colossos. Paulo falou para Eles da realidade do Corpo de Cristo e da necessidade de se despir do velho homem e de se revestir do novo homem.
Bem...não sei quanto aos colossenses, mas eu somente jogaria uma roupa fora por três motivos:
- se ela estivesse muito velha;
- se ela não servisse mais;
- se ela estivesse tão suja que fosse inviável lavá-la.
Nosso velho homem é muiiiiiito velho. Ele tem mais de 2000 anos de idade; ele acompanhou todas as quedas do homem, todos os atos malignos de todas as gerações; o seu DNA parece ter o registro do pior da humanidade.
Nosso velho homem não serve mais. Ele não veste bem... não fica bem em um filho de Deus amado; em um membro do Corpo de Cristo; em um santo de Deus. Não, ele não cai bem... e fingir que ele ainda serve é o pior tipo de hipocrisia.
Nosso velho homem é sujo, muiiiiiiiito sujo. Não uma sujeira que possa ser tirada com umas boas lavadas... não. A sujeira dele está impregnada em cada fibra de sua constituição. É um tipo de sujeira magnética com inclinação para o tudo o que é sujo neste mundo. É uma sujeira viciada, como a porca lavada que sempre tende a voltar para a lama e se sujar novamente.
Por esses três motivos, quero me despir do meu velho homem, mas fazer o que? Ficar nu e vazio? Paulo dá a solução:

VISTAM-SE DO NOVO HOMEM!

Esse novo homem não é apenas Cristo; mas é Cristo em nós; mas não somente Cristo em nós; é Cristo em todo o Seu Corpo!
Hoje, quero me vestir desse Cristo coletivo! Quero me vestir e me envolver com meus irmãos; quando estamos juntos, parece que passamos a ter um traje coletivo e real, celestial em vida, natureza e expressão. Quando não estamos juntos fisicamente, mesmo assim me sinto tão coorporativo, tão plural, tão nós... me sinto vestido com os irmãos!
"...e vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento,
segundo a imagem daquele que o criou no qual não pode haver grego nem judeu,
circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre; porém Cristo é
tudo em todos." (Cl 3:10-11)

Um comentário:

  1. é realmente Deus existe e Jesus Cristo é o nosso Salvador.tendo em mente que a nossa luta é a favor de Cristo Jesus amando até os nossos inimigos nada pode de fato nos separar deste imenso Amor .

    Que Deus continue abençoando a ti e a tua familia Ricamente .

    ResponderExcluir

Não serão aceitos ataques ou ofensas a pessoas ou grupos!